Segunda etapa da vacinação contra gripe tem início em meio a baixa procura pelo imunizante

0
523
Prefeitura de Betim realizou, no último sábado (15), o “Dia D de Vacinação” contra influenza para atender os grupos prioritários, tanto da primeira quanto da segunda fase. Foto: Anselmo UBL.

Taxa de imunização ainda não foi alcançada em Betim, Igarapé e São Joaquim de Bicas

Além da imunização contra Covid-19, está ocorrendo também no Brasil a campanha de vacinação contra a gripe, vírus influenza. Em toda Minas Gerais, desde 11 de maio, uma nova etapa se iniciou ampliando o medicamento aos professores e idosos acima de 60 anos.

Para que a ação imunológica tenha eficácia, é necessário que, pelo menos, 90% de cada um dos grupos prioritários sejam vacinados. Em todo estado, esse novo público alvo soma aproximadamente 3,7 milhões de pessoas, sendo cerca de 3,4 milhões de idosos acima de 60 e cerca de 270 mil profissionais da educação.

No dia 10 (segunda-feira), foi quando se encerrou a primeira fase que tinha como objetivo vacinar contra a gripe crianças, gestantes, mulheres que tiveram filho recentemente, profissionais da saúde e indígenas. Contudo, neste ano, a baixa procura por essa vacina preocupa.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), dos aproximadamente 606 mil trabalhadores da saúde, até 9 de maio, menos de 170 mil receberam a dose, ou seja, apenas 28%.

Entre as crianças, de 6 meses a menores de 6 anos, foram imunizadas pouco mais de 620 mil, quando 1.446.399 deveriam ter recebido a vacina, nesse caso apenas 43% foram vacinados.

Em grávidas a imunização contra a gripe em MG foi em 72.015 mulheres, menos de 37,5% do total. Se tratando das que acabaram de dar à luz, o número chega a 14.855, menos de 47%.

Os dados foram contabilizados até 11 de maio, quando 910.545 doses da vacina contra a gripe foram aplicadas no estado, segundo a SES-MG.

Betim

No município mineiro, na tentativa de impulsionar o público alvo a se direcionar aos 36 Unidades de Saúde (UBSs) da cidade, a Prefeitura de Betim realizou, no último sábado (15), o “Dia D de Vacinação” contra influenza para atender os grupos prioritários, tanto da primeira quanto da segunda fase.

Segundo a Secretaria de Municipal de Saúde, até 13 de maio, na cidade foram distribuídas entre as UBSs cerca de 61.940 vacinas para as pessoas inseridas nos grupos de público-alvo. Desse total, apenas 24.431 doses foram aplicadas, alcançando apenas 17% da taxa ideal de imunização que é de 90%.

De acordo com o secretário adjunto de assistência da Saúde, Hilton Soares, é muito importante a população receber a vacina contra o vírus Influenza, porque “a gripe pode gerar infecção aguda do sistema respiratório, possui um grande potencial de transmissão, além de ser responsável por elevadas taxas de hospitalização. Dessa forma, como estamos numa pandemia, a imunização contra a gripe evita o uso dos serviços de saúde, que se encontram sobrecarregados”.

Como dito no início da matéria, também está sendo realizada a vacinação contra Covid-19, por isso é preciso ficar atento ao alerta do Ministério da Saúde (MS) em relação ao intervalo necessário que se deve respeitar de 14 dias entre a aplicação de cada dose.

São Joaquim de Bicas e Igarapé

Nos municípios vizinhos a Betim, a procura também anda abaixo das expectativas. De acordo com dados do MS, até 14 de maio, em Igarapé, foram aplicadas apenas 3.408 doses contra a gripe, sendo que a população alvo é de aproximadamente 14.660 pessoas, o que representa uma cobertura vacinal de apenas 23,2%.

Em São Joaquim de Bicas, o ideal era que, até essa mesma data, 13.214 moradores tivessem recebido a vacina contra influenza, contudo, apenas 1.874 haviam sido imunizados, o que resulta numa cobertura vacinal de 14,2%.

Vale ressaltar que, nessas cidades, a segunda etapa da campanha também já teve início e os indivíduos presentes nos grupos prioritários podem procurar as UBSs ou postos de saúde de referência para serem vacinados.

Próxima etapa

A terceira etapa da imunização contra a gripe, que é a mais abrangente, deve ser realizada entre 9 de junho e 9 de julho. Nessa fase devem ser imunizadas pessoas com comorbidades e deficiências, caminhoneiros, trabalhadores do transporte coletivo rodoviário de passageiros, portuários, forças de segurança, de salvamento e armadas, funcionários do sistema de privação de liberdade e população privada de liberdade.