Escolas públicas de Betim são contempladas com programa de educação inclusiva

0
283
Foto: Jhonathan Lewinsky / PMB

O projeto é viabilizado pelo Criança Esperança e realizado pelo Instituto Ester Assumpção junto da Secretaria Municipal da Educação

A Prefeitura de Betim, por meio da Secretaria Municipal da Educação, selou uma parceria com o Instituto Ester Assumpção no último dia 5. A colaboração é referente à implementação do Paideia – Programa de Assessoria e Intervenção voltado para o Desenvolvimento Educacional Inclusão e Acessibilidade. Os recursos para a aplicação do projeto são advindos do Criança Esperança, campanha realizada pela Rede Globo, em parceria com a UNESCO. Dez instituições públicas de ensino de Betim serão contempladas.

PAIDEIA

O Paideia oferece capacitação em educação inclusiva aos profissionais das escolas, como professores e gestores, além de realizar capacitação na metodologia ‘Treinamento de Pais’. A psicóloga e diretora do Instituto Ester Assumpção, Natália Costa, ressalta a relevância da aplicação destas práticas nas instituições de ensino impactadas. “Nosso projeto tem como objetivo assessorar escolas públicas de Betim na implantação de práticas pedagógicas que respeitem as diferenças individuais dos alunos com deficiência. Esse processo não se limita à sala de aula, pois se expande para toda a comunidade escolar”, relata.

Natália Costa ressalta que o Instituto irá atuar em vias de instrumentalizar a comunidade escolar para a adaptação de materiais pedagógicos. “Vamos criar um comitê gestor das ações inclusivas composto por professores, gestores e representantes dos alunos com deficiência, oferecer atividades de intervenções psicopedagógicas para as crianças e adolescentes com deficiência e realizar palestras sobre educação inclusiva. Além disso, teremos oficinas para adaptação de materiais pedagógicos”, completa.

ESCOLAS CONTEMPLADAS

A escolha das dez unidades atendidas, entre os mais de 160 estabelecimentos públicos de ensino de Betim, aconteceu através de um mapeamento das escolas que teriam maior demanda para o programa. “Fizemos uma pesquisa, que apontou 225 indivíduos com algum tipo de deficiência nas escolas públicas da cidade. Com isso, elencamos os locais que têm o maior número de pessoas com a condição e que poderiam compartilhar as práticas e tecnologias implementadas por nós”, explica a diretora do Instituto.

As unidades contempladas pelo projeto são as seguintes: Escola Municipal Maria Mourici Granieri, E.M. Arthur Trindade, E.M. José Vilaça Guimarães, E.M. Florestan Fernandes, E.M. José Salustiano Lara, E.M. Adelina Mesquita Januzzi, E.M. Abílio Gomes, Centro Infantil Municipal Emílio Mafia Gomes, Creche Comunitária São José e Escola Estadual Cândido Portinari.

A diretora da E.M. José Salustiano Lara, Eliana Ferreira, já trabalhou em parceria com o Instituto e está bastante animada. “Quando trabalhamos juntos, foi muita alegria participar das oficinas que superaram minhas expectativas no sentido de não criar um modelo para o atendimento aos alunos com deficiência, mas sim observar, entender e se adequar às especificidades de cada indivíduo”, relata a educadora.