Bombeiros lançaram pétalas de rosas no local onde a tragédia aconteceu

No dia 1º de fevereiro, quando completou uma semana do rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho (MG), o Corpo de Bombeiros fez uma homenagem que emocionou a todos que estavam no local. Por volta de 12h40, agentes que trabalham nas buscas fizeram uma cerimônia religiosa homenageando as vítimas, no mesmo local onde ocorreu o desastre no dia 25 de janeiro.

No momento, pétalas de rosas foram jogadas por 10 helicópteros que sobrevoaram a área. As flores foram doadas ao Corpo de Bombeiros, que fez uma chamada nas redes sociais na quinta-feira (31/1). “Foi um momento de homenagem organizado pelas forças de segurança e de apoio envolvidos na tragédia”, disse o porta-voz dos Bombeiros, tenente Pedro Aihara. Outras pessoas deixaram buquês nas áreas próximas à tragédia e na Central de Informações.

Na hora em que tragédia do dia 25 aconteceu, houve orações, leitura da bíblia e músicas religiosas foram cantatas, com o intuito de acalentar as famílias das vítimas. No local ainda foi afixada uma cruz onde foram hasteadas as bandeiras do Brasil e de Minas Gerais.

Voluntariado

O espírito voluntário tem atingido a centenas de pessoas que atuam em Brumadinho desde o dia da tragédia. Muitas se prontificaram a doar roupas, alimentos, água e produtos de higiene, mas foram tantas doações que a Defesa Civil estadual pediu para interromper, pois não havia mais espaço para armazenar os produtos.

Outro destaque é para o grupo de voluntários da Convenção Batista Mineira (CBM). Eles montaram uma lavanderia com 13 máquinas para lavar as fardas dos bombeiros. De acordo com o pastor e diretor da CBM, Márcio Santos, o grupo recebe as roupas sujas de lama, higieniza e as entrega limpas para os militares no dia seguinte.

“Fomos ao local com uma equipe de voluntários com psicólogos, médicos, entre outros e perguntamos como poderíamos ajudar. Mas vimos que os militares chegavam com as roupas sujas e nos oferecemos ao comando para lavar. Eles aceitaram de prontidão. Lavamos em média 200 peças de roupa por dia”, afirmou.