São Joaquim de Bicas confirma morte por Covid-19; uso de máscaras passa a ser obrigatório na cidade

0
1136
Desde a tarde dessa terça-feira (19), o uso de máscaras passou a ser obrigatório na cidade. Foto: Prefeitura de São J. de Bicas.

Vítima tinha 64 anos e apresentava histórico de cardiopatia e doença renal

A Prefeitura de São Joaquim de Bicas, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, confirmou o óbito de um homem, de 64 anos, pelo novo coronavírus na cidade.

De acordo com a secretaria, a vítima possuía histórico de cardiopatia e doença renal. A morte do paciente é a primeira no município em decorrência do novo coronavírus e foi anunciada pela prefeitura na última segunda-feira (18). Desde a tarde de ontem, o uso de máscaras passou a ser obrigatório na cidade.

Até a manhã dessa terça-feira (19), a cidade contava com nove casos confirmados de Covid-19. Desses, quatro se recuperam, quatro estão sob acompanhamento e um óbito foi constatado. O número de casos suspeitos no município é de 160 e descartados 34.

A administração municipal disponibilizou uma nota se solidarizando com os familiares da vítima e reforçou o pedido de apoio à população para seguir as medidas anunciadas pelo município, de acordo com os protocolos do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Máscaras

Na tarde dessa terça-feira (19), Prefeitura de São Joaquim de Bicas determinou o uso obrigatório de máscara na cidade. O Decreto de número º 869, publicado ontem, sugere que o uso do objeto de segurança de saúde passa a ser indispensável nas ruas do município, em repartições públicas, comércios, prestadores de serviços, veículos, transportadores de pessoas e de cargas, igrejas e templos.

Dias antes da publicação da nova norma, toda a população da cidade recebeu em domicílio uma máscara de tecido. Segundo a Secretária Municipal de Saúde, mais de 35 mil máscaras foram entregues. “Nossa preocupação primeira foi garantir que todos os moradores teriam acesso a uma máscara de proteção adequada. Agora contamos com a colaboração da população para que não saiam sem elas”, explica a secretária de Saúde, Vanilda Maia.