Surto da doença deixa todo o país em alerta

Betim já conta com 45 notificações de sarampo, das quais 35 foram descartadas e uma foi confirmada. Outra nove ainda seguem sob investigação. A doença, que voltou a apresentar incidência no país recentemente, só pode ser prevenida por meio da vacina.

De acordo com o infectologista da Unimed-BH, Adelino de Melo Freire Junior, a queda nas taxas de imunização foi um dos principais motivos para o retorno do surto de sarampo. “Quando há alta da taxa de imunização ocorre o bloqueio de circulação do vírus. Mas se ela abaixa, o vírus consegue circular novamente”, explicou.

Segundo informações do Ministério da Saúde, a vacinação funciona da seguinte forma: crianças de 6 meses a 1 ano devem tomar uma dose; aos 15 meses, a segunda e última dose por toda a vida. Para quem tem entre 1 e 29 anos e recebeu apenas uma dose, é necessário tomar a segunda. Já adultos que nunca se imunizaram contra a doença, perderam o cartão de vacinas ou não se lembram devem tomar duas doses (se tiver entre 1 e 29 anos), ou apenas uma (entre 30 e 49 anos).

O diretor de vigilância em saúde, da secretaria municipal de Saúde, Nilvan Baeta, destaca que quem tem dúvidas se está com o cartão de vacinas em dia, ou não, deve levar o documento até a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua residência. A equipe de imunização irá fazer uma varredura e verificar se falta alguma vacina para completar o pressuposto pelo Ministério da Saúde. Caso não tenha o cartão, ele será confeccionado e a pessoa irá receber as vacinas necessárias.

“Guardar esse cartão de forma responsável é muito importante pois nele está todo o histórico vacinal da pessoa”, destaca Baeta.

Sintomas

Os principais sintomas são febre, coriza, tosse, conjuntivite e manchas vermelhas pelo corpo. Essas manifestações são comuns em muitas doenças, por isso, na menor suspeita, a pessoa deve procurar um médico. “Caberá ao profissional ficar atento para diferenciar o sarampo de uma outra doença menos grave, do ponto de vista epidemiológico”, disse o infectologista. Na rede pública, o paciente deve procurar a UBS de referência.

O vírus da doença é contraído por meio de gotículas respiratórias. Em uma fase mais grave o Sarampo pode progredir para doença pulmonar grave, complicações no cérebro, entre outras, podendo, inclusive, evoluir para a morte. “Boa parte das pessoas não terão isso e vão se recuperar. As que têm mais risco são, principalmente, crianças menores de cinco anos”, pontuou Junior.

Campanha de multivacinação

Entre os dias 7 e 25 de outubro ocorre, em todo o país, a campanha de multivacinação. O objetivo é fazer com que a população se dirija às UBSs para atualizar o cartão de vacinas, independente da idade, principalmente para tomar a tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola.

No dia 19 ocorre o Dia D, quando todos os postos de saúde abrem no sábado, de 8h às 17h, para oferecer imunização.