Guto Rezende (DEM), prefeito de São Joaquim de Bicas

0
3225
Guto Resende. Foto: FVP.

Na segunda entrevista com os prefeitos das cidades onde a Folha Vale do Paraopeba circula, o prefeito de São Joaquim de Bicas fala sobre projetos como o lançamento do Cartão Social para famílias em vulnerabilidade social, finalização do Poliesportivo e intenção de se reeleger

FVP: Qual balanço o senhor faz da sua gestão até agora?
Guto: Cheguei em 2017 com uma gestão quebrada. São Joaquim de Bicas tinha uma dívida estratosférica, com grande maioria dos carros quebrados, ambulâncias, tinha até vans, que levavam os pacientes da hemodiálise, sem freio. Nós renovamos muita coisa, quitamos muitos compromissos da prefeitura e colocamos a casa em ordem. Foi o primeiro dever de casa que fizemos. E graças a Deus, atualmente as contas da prefeitura estão em dia. Não temos dinheiro, mas com bastante responsabilidade colocamos um norte.

FVP: De que forma o atraso nos repasses do governo estadual aos municípios comprometeu o seu governo?
Guto: Historicamente: em 2017 eu pego a prefeitura em crise por conta dela mesma, da má gestão anterior, que deixou o executivo com alto índice de endividamento. Trabalhamos para regularizar isso. Entre o final de 2017 e 2018 vem a retenção dos repasses aos municípios pelo governo estadual. São mais de R$ 9 milhões devidos a São Joaquim de Bicas. Esses recursos começaram a cair em 2019 e agora as coisas tendem a melhorar. Gostaríamos de ter feito muitas obras, ter reajustado o salário dos servidores, mas não fizemos para ter possibilidade de prestar um serviço adequado ao exigido pela população. Temos muito a melhorar, mas acho que o dever de casa foi cumprido: nós superamos a crise.

FVP: E como o senhor tem tentado contornar essa situação?
Guto: A primeira ação foi o corte na própria carne para ter uma prefeitura saudável financeiramente. Atualmente fechamos no azul e isso dá um norte para começarmos a trabalhar. Também conseguimos reduzir os contratos dos terceirizados. Como a prefeitura retoma o nome de boa pagadora, os preços começam a cair porque a empresa começa a ter uma segurança de que estamos quitando.

FVP: Qual ou quais os principais avanços da atual gestão?
Guto: Renovação da frota: temos UTI móvel, vans e estou comprando mais duas vans, uma para a assistência social e uma para a saúde. Contratei mais médicos, como é o caso do reumatologista e do nefrologista, criamos o Nepi (Núcleo de Estudos Pedagógicos Integrados), que vem com um novo pensamento para atender às pessoas com deficiência. Colocamos quase 20 quilômetros de rede de água em parceria com a Copasa, em bairros que nunca tiveram, como o Açoita Cavalo, Estância, Serra Verde, entre outros. Até o final da nossa gestão vamos colocar em torno de 40 a 45km de rede de água em toda a cidade. Também com a Copasa colocamos rede de esgoto nos bairros Bela Vista, Pedra Branca, Santo Antônio, Tiradentes e Vila Rica. Trouxemos o festival gastronômico ‘São Joaquim de Bicas, Aromas e Sabores’. É uma festa para cultivar nossa cultura e dar oportunidade para as nossas mestras selecionadas, que vendem seus pratos e ganham um dinheiro durante o evento. Em 2019 teremos a terceira edição. A secretaria de esportes está com um trabalho fenomenal em relação aos campeonatos e outras práticas esportivas. Retomamos com as atividades do Educart, que estava parado quando assumimos. Atualmente, o local atende cerca de 1.600 alunos, em mais de 30 oficinas como balé, violão, robótica, entre outras.

FVP: Quais obras ou projetos devem ser executados até o final do mandato?
Guto: Vamos lançar o Cartão Social para ajudar as pessoas que vivem em situação de miserabilidade. É uma espécie de Bolsa Família municipal. O que eu vi quando cheguei aqui é que as pessoas iam pegando cesta básica, mas tinham dificuldades de locomoção, ou outros problemas. Estamos mudando o sistema para a pessoa ter o poder de escolha do que comprar e dar mais dignidade para a família. O valor deve ser de R$ 85 para famílias de quatro pessoas e R$ 100 para famílias com mais de cinco membros. O projeto já foi aprovado pela Câmara e em breve vamos publicar o decreto. Vamos inaugurar o Centro de Especialidades Odontológicas dentro da Policlínica, que vai ser uma referência para nossa região. Estamos reformando o posto de saúde do Farofa, compramos 220 pontos de iluminação pública para instalar na cidade, dos quais 27 já foram instalados e também fazendo uma regularização fundiária no bairro Flor de Minas, projeto piloto que vamos estender para a cidade. Ainda vamos construir uma escola de ensino infantil no bairro Pedra Branca, e reformar as praças do bairro Flor de Minas, do Farofão e da escola estadual. Estamos aguardando uma emenda parlamentar do governo federal no valor de R$ 2 milhões para fazer a praça no bairro Tereza Cristina, cujo projeto já está pronto. Por fim, vamos concluir a construção do Poliesportivo

FVP: Quais são seus planos políticos para o futuro?
Guto: Defender o legado do que estamos fazendo. É um projeto audacioso de oito anos e queremos fechar o ciclo para deixar a prefeitura bem melhor do que pegamos. Vamos deixar a decisão nas mãos da comunidade e no momento certo começamos a discutir sobre. Mas a intenção é tentar a reeleição e continuar com o mandato.

Na última edição, a Folha Vale do Paraopeba iniciou uma série de entrevistas com os prefeitos das cidades onde circula: Betim, Brumadinho, Igarapé, Juatuba, Mário Campos, Sarzedo e São Joaquim de Bicas. A proposta é ouvir desses gestores como tem sido a administração até agora e quais os planos para o futuro. Não perca a próxima edição.

Confira a primeira entrevista, com o prefeito de Igarapé, Carlos Alberto da Silva (Nem).